... Aqui ficam sugestões do Eu Cláudio mas também de companheiras digitais. Na Cosmopolita deste mês damos ideias para um verão mais fresco e activo. Divirtam-se!


Leiam também um destes posts:






... E assim nasce uma nova Kelly Bailey. A jovem atriz que tem dado tanto que falar. Kelly foi convidada para fazer a capa da GQ e ainda bem que aceitou. Está maravilhosa! Serei suspeito porque a conheço e gosto dela. Acho-a uma miúda educada, com conversa... Mas apaixonada. E a paixão de vez em quando tolda o caminho. Ainda assim, esta é uma das capas mais bem conseguidas da GQ. Capa elegante, sensível, com o cuidado necessário de revelar um mudança na imagem pública de Kelly sem cair na tentação de revelar demais... lá dentro, existe mais corpo. É um facto. Mas faz parte. Parabéns a quem teve a ideia da produção e felicidades à Kelly que deu um passo que a mantém segura no patamar destas coisas dos holofotes. Cresceu, está mais madura, saberá também que um dos grandes méritos para fazer esta capa é o facto de se alimentar na imprensa um namoro com Bruno... uma espécie de "jogo do gato e rato" mal jogado para ver se cola.


Leiam também um destes posts:






... Para qualquer criança a felicidade deve ser um estado de alma constante. A Leonor está de férias. Cresceu, está mais autónoma. Não me queixo da sua independência, porque gosto dela assim. Somos cúmplices. Continuamos cúmplices. Numa destas conversas ao fim da tarde, sob o pouco fresco que o Alentejo deixa sentir quando o dia com mais de 40 graus desaparece, falou ela, como se estivesse a falar eu "pai, eu gosto das férias e de tudo isso. Do calor  da praia, do sol... mas de vez em quando tenho saudades".

- Saudades de quê?
- Tenho saudades do tempo frio...
- Já? Ainda agora começou o Verão!
- Eu sei, mas tenho saudades de sair de casa e ver gente todo o dia. As mesmas pessoas à mesma hora. Não que tenha saudades da escola, mas estou a pensar que tenho saudades desses dias, percebes?
- Rotina?
- Sim, é isso. Tenho saudades da rotina. 

A rotina faz-se de felicidade. Ela é igual a mim. Eu também gosto de variar, de ser surpreendido, de fazer diferente, mas sou muito ligado às minhas rotinas. Já vos falei aqui tanto disso. É bonito perceber isto. Eu acho que quando sentimos falta da nossa rotina, é porque nela somos felizes, mesmo que de vez em quando reclamemos. Concordam?


Leiam também um destes posts:



O Mac na minha vida existe há uns anos. Pode ser mais caro que os outros...
 mas o tempo que se poupa com ele e o prático que é, quando nos acostumamos, compensa o resto.
Foi uma boa opção!
iPhone. Demorei um pouco, muito tempo até...
mas tal como com o Mac tive que me render.
É realmente uma maravilhosa ferramenta de trabalho, companhia e distracção!
Não consigo estar sem óculos de sol.
E por muitos que tenha, os clássicos sãos os clássicos.
Actuais e masculinos!
Esplanadas de Lisboa. Há centenas. Umas melhores do que outras...
 mas é preciso saber escolher e descobrir!
O final do dia aqui sabe a pouco....
A descontracção das Havaianas para o Verão!
O conforto e as cores da Adidas ;)


Não dispenso, como já sabem, os meus cremes da Mary Kay!
 Demorei anos a descobrir... mas são excelentes!

... E o blog de Mariano Divaio...
que descobri por estes dias, depois dele elogiar o meu ;)
http://www.mdvstyle.com/



Leiam também um destes posts:


... Vocês sabem bem o que o mar significa para mim. A praia é um dos meus lugares de sentar, pensar, decidir, todas essas coisas tão importantes, nem que sejam feitas numa meia-hora de um dia agitado. Mas também é o meu sítio de diversão, onde corro, salto, mergulho e me divirto como um miúdo nas férias grandes. Por isso, fiquei super feliz quando soube que a corveta NRP General Pereira d’Eça já pode ser visitada e explorada! Para os mais distraídos, a corveta foi afundada há umas semanas ao largo de Porto Santo e vai ser um recife artificial. O projecto Scuba Diving Madeira já arrancou com as visitas à corveta e vai organizar sessões de exploração por todo o barco. Se forem ao site deles, vão ver que mesmo que nunca tenham sequer sonhado com mergulho, eles podem ajudar-vos. Eu já ando aqui a ver na agenda quando vou poder aventurar-me nas profundezas (parece que são 30m, já assusta!) do Atlântico. Se por acaso andarem por aquelas bandas este Verão, vão ao Scuba Diving Madeira e digam-me como foi!












Leiam também um destes posts:



... Na altura escrevi aqui, na crónica da TV Mais o que achava sobre o possível final do casamento de Marisa Cruz, mas considerei que seria apenas uma hipótese e que o casal voltaria, como o teria feito outras vezes. Este fim-de.semana notÍcias dão conta de que acabou de vez e não acabou bem. Eu estarei sempre ao lado de Marisa, porque também ela esteve ao meu em determinado momento da minha vida. Acho-a uma boa pessoa, mãe dedicada, boa profissional e na busca de um lar feliz e de uma família harmoniosa. Agora, se de facto o fim for definitivo e tão feio como a imprensa conta, espero que tenha tempo de sarar algumas feridas. Não são justas estas feridas que custam a cicatrizar nem as dores que elas provocam. Uma pessoa que se entrega não merece padecê-las.



Leiam também um destes posts:






... Já me tinham falado nela algumas vezes. Falavam-me nela. Eu ouvia e desligava. Não poderia ser nada de tão extraordinário, até porque Portugal está cheio de pérolas escondidas na costa. Mas rendi-me. Meti-me a caminho dela. Um caminho difícil e complicado que desaconselho a todas as pessoas que não tenham preparação física e que deve ser feita com calma e com calçado apropriado. Uma espécie de caminhada misturada com escalada, não sei se em algum lugar do mundo isto se aplica. Um calor abrasador em Lisboa, era preciso sair. Sair não pelo calor, que serve como desculpa, mas para abraçar o desconhecido. À aventura. Já dias antes, tinha conhecido uma praia que é muito bonita, mas está estragada pelo excesso de pessoas e pela falta de cuidado e civismo de algumas delas... um dia conto. Hoje o passeio foi para outro lado. Um lado oposto. Assim que cheguei ao cimo da "montanha" percebi que valia a pena. A vista cortava a respiração. Desci. Uma areia fina e quente, um mar gelado (mas quando digo gelado é mesmo gelado) os pés doíam do frio da água transparente, mas não me importei. Valeu cada bocadinho aquele silêncio. Primeiro ninguém, depois pouca gente. Passou o tempo a correr. Tempo para várias marés. Quando se quer consegue-se... e eu consegui. Fiz praia sossegado, aqui ao lado de casa.


Tecnologia do Blogger.